segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Ginnika: celebrando a diversidade dos tênis


Não é segredo que o primeiro contato das mulheres com o design, ou pelo menos um dos que vão perdurar ao longo da vida, é através dos acessórios. Enquanto as meninas admiram, transfixadas, as vitrines e o armário de sapatos da mãe, os rapazes fazem esta descoberta um pouco mais tarde na vida e assim começa a obsessão pelos tênis. 




O italiano Andrea Sibaldi, um apaixonado pelos diferentes modelos e a história dos calçados esportivos, criou a feira Ginnika apenas para celebrar a diversidade e a história deste ícone popular. A exposição, que rolou pela primeira vez em 2014 em Roma, teve sua edição mais atual em Verona. Outras cidades italianas seguem na espera para sediar as próximas paradas da exibição. 




Muito mais do que uma gigantesca loja de artigos esportivos, a feira celebra a história e o processo criativo por trás de cada modelo e cada marca. Embalados por 48 horas de música ininterrupta, os visitantes podem conhecer mais de 600 modelos de tênis, desde novidades até edições limitadas e clássicos como os Converses e Air Jordans originais. Confira as imagens que o blog selecionou e prepare-se para fazer as malas (com bastante espaço sobrando) para a próxima edição. 


quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Cozinha engajada


Existem pessoas que ainda acham que lugar de mulher é na cozinha e que discussões polêmicas devem passar bem longe da mesa de jantar. Este, definitivamente, não é o caso da Radical Tea Towel Company. A empresa inglesa se especializou em utensílios para a cozinha como luvas de fogão e panos de prato, todos imbuídos de mensagens revolucionárias. 




A ala das feministas está bem representada com uma farta gama de opções mas líderes inspiradores como Nelson Mandela e Mohandas Gandhi também aparecem por ali. As causas mais atuais, como a sustentabilidade e as emissões de carbono estão devidamente representadas e até os anarquistas poderão secar sua louça apoiando a causa. O blog, sempre pensando no mundo digital e todas as suas vertentes, sentiu falta dos Hacktivists, o braço conectado dos revolucionários de hoje. Quem sabe na próxima coleção?